A prisão de Caio Belote foi ilegal, fruto de armação gayzista que precisa ser investigada

Compartilhe -
Fiquei ontem a madrugada inteira na delegacia acompanhando o caso do Caio Belote,que foi preso, em ocorrência na FUMEC em razão da visita de Bolsonaro.

Veja bem: Existe um grupo de gayzistas aparentemente financiados para que façam “barracos” e envolvam pessoas especificas, fazem o barraco provocando as pessoas com insultos e gritos, palavrões e etc, tentando arrancar alguma reação. Imediatamente um deles liga pra polícia e chama a policia se vitimizando e acusando a pessoa.

Entre eles combinam as versões de acusação e assim fazem pra tentar enquadrar a pessoa como racista, homofóbico, etc..

Ontem na delegacia apareceram grupos de sindicatos e “direitos humanos” pra conversar com os gayzistas que geraram a confusão, dando instruções de como deveriam proceder. Além disso a própria escrivã da polícia chamou gayzistas antes de serem ouvidos, pra conversar em um canto, onde possivelmente os instruiu sobre o que deveriam falar.

O que vi ali foi uma quadrilha montada, financiada para gerar situações desse tipo, usando a policia e a justiça.Usam técnicas de vitimização, se organizam usando a polícia e justiça para pressionar as pessoas e tirara-las da luta política. É um circo armado, é uma quadrilha.

Precisamos investigar quem os financia, e se há delegados e policiais envolvidos na trama. Caso haja, estamos falando de uma estratégia política e uso pessoal, partidário e ideológico do sistema de segurança pública, com possível prevaricação dos agentes de polícia, sindicatos e ainda, prevaricação de agentes dos direitos humanos.

Esse tipo de fraude deve ser investigada e se comprovada deverão ser denunciados ao ministério público.

As organizações públicas devem ter isonomia e não podem ser usadas em favor de ideologias ou minorias. Precisamos de projetos de lei que garantam punição severa contra esse atentado à democracia.

Sindicatos ideologizados, que não tem isonomia, devem perder o direito de sindicalizar.
Os “direitos humanos” ideologizados devem ser extintos e não podem receber dinheiro público.